segunda-feira, 17 de maio de 2010

Dialética


Não faz sentido
brincar meu carrossel
em torno da sua ausência

Tampouco lambuzar de mel
o limão que me traz
com veemência

Não faz sentido
te inundar de pólvora
se não existe fogo

brincar de índio
entrar na roda
perder seu jogo

Não faz sentido
o suor intenso
em dias frios

estender a outra face
aguardando outro abril

a memória
apostólica romana

a dança cigana
entre boleros e ventres

Não faz sentido
chantili e merengue

os poemas amassados
rasgados com fúria

esperar que sejamos brandos
feito bebida da uva

Não faz sentido
todo este tamanho

as cores lá fora
e eu aqui em preto e branco

2 comentários:

Joakim Antonio disse...

O que menos faz sentindo é o que mais se sentirá.

Ótima semana!

730A_ngelinaRabideau0 disse...

任何你憂慮的事,你都應該去採取一點行動,不要只是在那邊想..................................................