sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Batendo asas


Cuide-me, com o mesmo dedicar
que uma ave cuida do ninho.

E quando eu, assim passarinho
achar que já é hora de voar,

não tente nem um tantinho
impedir-me de alçar.

Aquiete-se mansinho,
uma hora hei de voltar.

Pra lhe dizer baixinho,
que o mundo é bonito,
mas não se compara
ao seu sorriso

e tampouco ao seu olhar.



Ninno Amorim musicou esse poema! Em breve coloco aqui para vocês ouvirem!

6 comentários:

Cel Bentin disse...

e o que é mais alto? o vôo, o canto ou o passo escolhido do pássaro? rs bela!

Voz de Eco disse...

Lindo. Avise quando der pra ouvir, por favor!

Cel Bentin disse...

e essa foto foi na nervura de quem cai em acolhimento: as asas na costas e as mãos à frente, envolvendo...

On The Rocks disse...

massa!

aguardarei a música.

buenas!

gutipoetry disse...

O olhar sempre o olhar: uma plataforma dinâmica que acolhe, dissolve e interpreta todos os sentimentos e carências. Lindo! Bárbara!

Palavras de Osho disse...

Belíssimo!